Bem-vindo, Dante Mantovani!

25, abr, 2022 | Artigos | 1 Comentário

O maestro Dante Mantovani, ex-presidente da Funarte, é o mais novo reforço da Editora Danúbio. O contrato foi assinado no começo de abril. Serão publicados dois livros do autor, ambos sobre música erudita. A previsão de lançamento é para o início do segundo semestre de 2022.

O maestro Dante Mantovani é graduado em Música pela Universidade Estadual de Londrina e em Regência Orquestral pela Escuela de Diréccion Orchestal de Huelva (Espanha); também é especialista em Filosofia Política, e mestre em Linguística e Doutor em Estudos da Linguagem (Universidade Estadual de Londrina).

Fundou e regeu diversas Orquestras e Corais no Brasil e no exterior; criador e idealizador do Festival de Música de Paraguaçu Paulista-SP; Autor do livro ” Ensaios sobre a Música Universal – do Canto Gregoriano a Beethoven” (editora Si vis Pacem, 2017). Integrou o Conselho Nacional de Cultura e Conselho Municipal de Turismo do Rio de Janeiro. Foi Presidente da FUNARTE – Fundação Nacional de Artes (2019-2020) e criador do Sistema Nacional de Orquestras Sociais (SINOS).

É acadêmico pesquisador da Academia Nacional de Música, membro da Academia Paulista de Música e Comendador pela Ordem do Mérito Cultural Carlos Gomes.

Bem-vindo à Editora Danúbio, Dante Mantovani!​

Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio
 
Siga-nos também no Instagram: https://www.instagram.com/danubioeditoraa/  
 

 

Artigos recentes

A Literatura Perigosa

Queria que as pessoas parassem com essa história de que “a literatura é uma ocupação perigosa”.
Wodehouse nunca “enfiou a cabeça no escuro”. Ou ele estava “enfiando a cabeça no escuro” quando escreveu que o Bertie teve que deixar o Jeeves cortar a gravata preferida dele? Ou que o Gussie Fink-Nottle bebeu suco de laranja com gim e nadou numa fonte pra caçar lagartixas

Saudade (crônica)

Entendo o que disse um dos principais autores da literatura lusa, o poeta português Manuel de Melo, quem definiu a saudade como um «bem que se sofre e mal de que se gosta».

Um Outro Inferno

Thomas Hobbes disse que “O Inferno é a verdade conhecida quando é tarde demais”. Em “Se Houvesse Um Homem Justo na Cidade”, Diogo Fontana nos apresenta uma outra possibilidade de Inferno, que é quando se conhece a verdade cedo demais e não conseguimos comunicá-la.

Categorias