A sabedoria do romancista

21, jan, 2022 | Artigos | 2 Comentários

Por Alexandre Soares Silva

Qual a importância da sabedoria num romance? É possível que um tolo completo seja um grande romancista? Não digo na vida pessoal, porque todos sabemos que é possível e até frequente, e que Tolstói agiu como um tolo a vida inteira; e na verdade se torcerem meu braço não sou capaz de dizer um grande romancista que agisse como um sábio. PG Wodehouse, talvez, cuja inocência o preservava das grandes tolices? Mas a pergunta talvez seja, é possível que um romance seja grande se ele exprime uma visão tola da vida? Assim feita, a pergunta parece se responder a si mesma, até com um dã: dã, não, a pergunta responde; mas é verdade?

Por mais que a concepção de vida que o autor quer defender seja tola, não pode ser que ele observe o comportamento humano tão bem, que a sua capacidade de observação seja uma sabedoria em si mesma, uma espécie de sabedoria maior que o simples acúmulo de noções sábias, e contradiga as suas intenções tolas? Me parece que sim, que é óbvio que sim, e que um escritor deveria querer mais aumentar a sua capacidade de observação e a sua perspicácia psicológica (aliás, bom nome de poodle) do que ficar se metendo com reles idéias.

 

Clique aqui e leia gratuitamente os dois primeiros contos do livro “O Homem que Lia os Seus Próprios Pensamentos”, de Alexandre Soares Silva.

E tudo isso é verdade, se pensamos no romancista abstrato. Que viva como um tolo, e que escreva, quase contra a vontade, como um sábio. Mas no caso do romancista concreto há um problema: esse homem, se tiver noções tolas, vai escrever menos, e menos bem. Mesmo com toda a sua sabedoria observacional e psicológica, as consequências práticas das suas noções tolas e dos seus atos tolos se agarrarão nas suas pernas como macacos que entrassem pela janela e o mordessem, como vizinhos que ouvissem a discografia completa de um pagodeiro de alegria ou tristeza infectas, como uma velha desgrenhada que ficasse batendo na porta e uivando e quebrando vasos e urinando no hall. E o resultado é que mesmo os seus livros sofreriam, porque ele seria o tempo todo distraído pelas consequências da sua tolice. Atarantado com os inimigos que fez à toa, a amante que ameaçou cortar os pulsos, ou as dívidas sendo cobradas na forma de telefonemas frenéticos no celular, ele escreveria menos e com menos energia.

Pode ser que ainda fosse um grande escritor, muitos desgraçados foram; vejam Camilo; mas é concebível que não seria tão grande quanto poderia ter sido, se tivesse sido deixado um pouco mais em paz.

Um Camilo feliz, escrevendo até os noventa anos – imaginemos isso.

A sabedoria, para um romancista, é só a melhor maneira de não ser interrompido no trabalho.

 

Assine a newsletter do escritor Alexandre Soares Silva e receba crônicas como esta todos os domingos no seu e-mail: https://bit.ly/3zQtcQ3 

 

Inscreva-se em nosso canal do Telegram: https://t.me/editoradanubio 

Artigos recentes

À Beira do Danúbio

Quando aterrei no aeroporto de Baku, às tantas da madrugada, vindo de Budapeste, deparei com muita gente à espera de muita gente no terminal de desembarque. Famílias à espera dos seus e pseudo-taxistas à espera para fazer das suas. Transportes públicos para o centro da cidade, não parecia havê-los.

Bem-vindo, Dante Mantovani!

O maestro Dante Mantovani, ex-presidente da Funarte, é o mais novo reforço da Editora Danúbio. O contrato foi assinado no começo de abril. Serão publicados dois livros do autor, ambos sobre música erudita.

A Importância da Música Clássica na Formação da Juventude

Observamos hoje em dia uma grande preocupação de pais, professores, familiares e educadores com a Educação Infantil, pois todos percebem que tudo vai de mal a pior, algo está muito errado, embora raramente alguém se aproxime do correto diagnóstico da situação. A Música Clássica Ocidental, que chamo de Música Universal, é o repertório mais propício ao desenvolvimento das boas virtudes na infância e na juventude.

O Homem que Lia os Seus Próprios Pensamentos

R$59,00

Fora de estoque

Detalhes do autor

Alexandre Soares Silva

Alexandre Soares Silva

Alexandre Soares Silva nasceu em 1968. Publicou três romances, A Coisa Não-DeusMorte e Vida Celestina e A Alma da Festa, além de uma coletânea de ensaios, A Humanidade é uma Gorda Dançando em um Banquinho. Trabalha como roteirista e vive em São Paulo.