A Beleza Divina: uma lição de São Basílio Magno

24, out, 2019 | Arte, Artigos, Religião | 0 Comentários

Por Ademir Amaral

Para que não se ceguem, os olhos, antes de contemplar a luz do Sol, devem se acostumar à luz diminuída que ele projeta sobre a superfície da água. Eis a imagem que São Basílio usa em uma de suas cartas ao tratar da utilidade da literatura pagã na preparação dos jovens: por meio da beleza literária, contempla-se a Beleza Divina. Isto pode certamente ser estendido a todas as modalidades de arte.

Essa Beleza, atributo que em Deus nos parece quase secreto, deixa os seus reflexos neste mundo de uma maneira bastante patente – tão patente que podemos mesmo esquecer a fonte da qual ela emana: confesso que, por muito tempo, a religião me interessou sobretudo como experiência estética, e talvez devesse, penitente, dizer que ainda hoje é assim.

Lembro-me de como a festa de Corpus Christi me encantava com seus brocados, suas tochas avançando a noite, a cruz dourada abrindo caminho na procissão, o incenso subindo por entre as frinchas ornamentadas do turíbulo. Até os padres menos tradicionalistas aceitavam que neste dia a cerimônia se revestisse de alguma pompa evocativa de tempos menos minimalistas.

Mas era fausto de um dia aquele das solenidades mais importantes do calendário litúrgico, o que destoava dos hábitos da vida paroquial, da hediondez da estrutura arquitetônica da nossa cidade e das nossas igrejas; passada a festa, eu retornava à pobreza material da minha vida, às conversas mesquinhas do dia-a-dia, à imersão no meio físico urbano carente de ordem, simetria, proporcionalidade e tradição.

A Beleza Divina: uma lição de São Basílio Magno

Quem quisesse escapar dessa penúria estética poderia recorrer à música, especialmente porque ela, ao contrário da literatura, não exige nenhuma educação especial para desencadear os efeitos previstos pelo artista.

Porém, justamente por nos impactar fisicamente sem o nosso consentimento, é a música de má qualidade a forma de arte que mais pode destruir a personalidade daquele que tenha alguma aspiração espiritual-intelectual, ou simplesmente estética – e quem duvida que a música predominante no ambiente brasileiro, mesmo nas igrejas, seja a da pior qualidade?

Depois da leitura de Música, Inteligência e Personalidade, do dr. Minh Dung Nghiem, publicado neste ano pela Vide Editorial em tradução de Felipe Lesage, é impossível não associar o nosso baixo desempenho acadêmico, a nossa religiosidade sentimentalista, nossos altos índices de criminalidade e nossas inúmeras mães adolescentes e solteiras à qualidade da música que se escuta no país.

A divisão feita pelo dr. Minh Dung Nghiem entre hemisfério cerebral esquerdo (racional) e direito (emotivo) pode ser simplista demais, mas isso não nos impede de comprovar a veracidade da associação que autor faz entre a audição frequente de batuque afro e o comportamento desordenado cada vez mais comum na Europa e no nosso continente. Não se deve esperar que de uma música criada para o transe e para a orgia brote o amor pelo estudo, a meditação, o respeito pelo próximo, o autocontrole corporal e a sensibilidade para a Beleza Divina.

[grwebform url=”https://app.getresponse.com/view_webform_v2.js?u=SY5GD&webforms_id=10948203″ css=”on” center=”off” center_margin=”200″/]

Artigos recentes

“A literatura só não é terra devastada por causa dos meus amigos”, diz Tiago Amorim

Entrevistamos o escritor Tiago Amorim, que nos fala sobre seu mais novo livro de contos, “Verdades e Mentiras”. Tiago Amorim é mestre em Antropologia pelo ISCTE (Lisboa). Ele é autor de quatro livros, o primeiro deles uma coletânea de ensaios chamada “Abertura da Alma”, também publicada pela Editora Danúbio, em 2015. Casado, pai de dois filhos, Tiago vive em Curitiba, de onde nos concedeu a entrevista.

A Cartomante (conto)

Pedro Mendes passava agora os dias recluso em seu apartamento nos Jardins, desde que obtivera, por graça do ministro Ronaldo Azevedo, um habeas corpus. Não ia mais a restaurantes, nem ao clube; não podia manter contato com o sócio, nem ir à empreiteira; com o passaporte retido, não podia deixar o país. Tinha as contas bancárias bloqueadas e usava uma tornozeleira eletrônica. O empreiteiro engordara a ponto de nenhuma camisa abarcar mais a rubra papada.

Filhos do Tempo (conto)

Contrastava com essa nobreza, na aparência e nos trajes, os convidados da homenageada, que, oprimidos pela chiqueza do lugar e pela pompa da audiência, aprumaram-se nas cadeiras medalhão, na fileira de honra, e simularam com os olhos e a pose uma atenção reverencial.

Categorias

O Sentimento da Beleza

Detalhes do autor

Nome do autor

Nascido em Pedra Preta, MT, em 1995, Ademir Amaral vive em Rondonópolis, MT, onde graduou-se em Ciências Biológicas. É aluno do Curso Online de Filosofia, do professor Olavo de Carvalho, e trabalha com revisão, tradução e ensino de idiomas.