A Beleza Divina: uma lição de São Basílio Magno

24, out, 2019 | Arte, Artigos, Religião | 0 Comentários

Por Ademir Amaral

Para que não se ceguem, os olhos, antes de contemplar a luz do Sol, devem se acostumar à luz diminuída que ele projeta sobre a superfície da água. Eis a imagem que São Basílio usa em uma de suas cartas ao tratar da utilidade da literatura pagã na preparação dos jovens: por meio da beleza literária, contempla-se a Beleza Divina. Isto pode certamente ser estendido a todas as modalidades de arte.

Essa Beleza, atributo que em Deus nos parece quase secreto, deixa os seus reflexos neste mundo de uma maneira bastante patente – tão patente que podemos mesmo esquecer a fonte da qual ela emana: confesso que, por muito tempo, a religião me interessou sobretudo como experiência estética, e talvez devesse, penitente, dizer que ainda hoje é assim.

Lembro-me de como a festa de Corpus Christi me encantava com seus brocados, suas tochas avançando a noite, a cruz dourada abrindo caminho na procissão, o incenso subindo por entre as frinchas ornamentadas do turíbulo. Até os padres menos tradicionalistas aceitavam que neste dia a cerimônia se revestisse de alguma pompa evocativa de tempos menos minimalistas.

Mas era fausto de um dia aquele das solenidades mais importantes do calendário litúrgico, o que destoava dos hábitos da vida paroquial, da hediondez da estrutura arquitetônica da nossa cidade e das nossas igrejas; passada a festa, eu retornava à pobreza material da minha vida, às conversas mesquinhas do dia-a-dia, à imersão no meio físico urbano carente de ordem, simetria, proporcionalidade e tradição.

A Beleza Divina: uma lição de São Basílio Magno

Quem quisesse escapar dessa penúria estética poderia recorrer à música, especialmente porque ela, ao contrário da literatura, não exige nenhuma educação especial para desencadear os efeitos previstos pelo artista.

Porém, justamente por nos impactar fisicamente sem o nosso consentimento, é a música de má qualidade a forma de arte que mais pode destruir a personalidade daquele que tenha alguma aspiração espiritual-intelectual, ou simplesmente estética – e quem duvida que a música predominante no ambiente brasileiro, mesmo nas igrejas, seja a da pior qualidade?

Depois da leitura de Música, Inteligência e Personalidade, do dr. Minh Dung Nghiem, publicado neste ano pela Vide Editorial em tradução de Felipe Lesage, é impossível não associar o nosso baixo desempenho acadêmico, a nossa religiosidade sentimentalista, nossos altos índices de criminalidade e nossas inúmeras mães adolescentes e solteiras à qualidade da música que se escuta no país.

A divisão feita pelo dr. Minh Dung Nghiem entre hemisfério cerebral esquerdo (racional) e direito (emotivo) pode ser simplista demais, mas isso não nos impede de comprovar a veracidade da associação que autor faz entre a audição frequente de batuque afro e o comportamento desordenado cada vez mais comum na Europa e no nosso continente. Não se deve esperar que de uma música criada para o transe e para a orgia brote o amor pelo estudo, a meditação, o respeito pelo próximo, o autocontrole corporal e a sensibilidade para a Beleza Divina.

Artigos recentes

Peças de Shakespeare Rei Lear

O Bobo Lear

Entre o céu e a terra existem muitas coisas, de fato, mas não uma interpretação inédita, original, das peças de Shakespeare. Certamente tudo já foi dito, ainda que algo muito importante se encontre temporariamente esquecido na imensidão inabarcável dos seus admiradores.

O Ladrão da Direita

“O Ladrão da Direita” é um conto inédito do escritor Fábio Gonçalves, autor da novela “Um Milagre em Paraisópolis”, que será publicada no começo de 2020.  

Conto Diogo Fontana

Uma Noite de Sexta

Este conto é parte do livro “Deixai Toda Esperança”, que será publicado em 2020. 
“Uma Noite de Sexta”, por Diogo Fontana

O Sentimento da Beleza

R$63,00

Em estoque

Detalhes do autor

Nome do autor

Nascido em Pedra Preta, MT, em 1995, Ademir Amaral vive em Rondonópolis, MT, onde graduou-se em Ciências Biológicas. É aluno do Curso Online de Filosofia, do professor Olavo de Carvalho, e trabalha com revisão, tradução e ensino de idiomas.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *